terça-feira, 13 de novembro de 2007

Críticas à Igreja

A Igreja Católica é uma entidade que tem dois milênios de história, sendo uma das instituições mais antigas do mundo contemporâneo. Historicamente, as críticas a esta Igreja já tiveram muitas formas e partiram de diversos pressupostos ao longo das gerações. Algumas vezes essas críticas tiveram grandes conseqüências, como as contestações morais e teológicas de Martinho Lutero no século XVI, que levaram ao nascimento do protestantismo.

No contexto actual, as críticas tendem a centrar-se em dois pontos. Em primeiro lugar, a história dessa instituição possui episódios que, em maior ou menor grau, são vistos por muitos como injustos e em contradição com a mensagem cristã que a fundamenta. Um outro aspecto importante é que muitos dos conceitos e modelos de comportamento adotados na sociedade atual parecem estar se distanciando de seus ensinamentos (ou em oposição a eles). Tal distanciamento é notável em temas como bioética, sexualidade, matrimônio, a aplicação da pena de morte, entre outros.

O fato de já ter havido graves erros por parte de membros da
Igreja é reconhecido pela própria instituição e, no contexto do Jubileu dos 2000 anos, a levou a pedir perdão por tais atos praticados no passado.

veja também:
http://www.mensagemdereflexao.com.br/

21 comentários:

shirley disse...

muito bom o seu blog !gostaria de faser parceria com vc !se vc quiser visite meu blog ou me mande um email
slacerdaf

João Ricardo Miranda disse...

O Sr. indentifica um poosível discurmo moderno contrário á doutrina da Igreja, contudo, não se posiciona.
Qual sua posição em relação as críticas pelo Sr lentantadas?

Manel disse...

Igreja de Cristo e Igreja Católica Romana são realidades muito diferentes:

1) A Igreja de Cristo foi fundada por Cristo; Os seus membros são escolhidos pelo PAI (YHWH); É Pura, santa; Imaculada.
Etc., etc. ...
A Igreja de Cristo não é uma religião e tanto Yeohushua (Cristo) e os seus Apóstolos professavam a mesma religião que todos os outros Judeus: Abraão, Isac, Jacob, Moisés, David, e os profetas Samuel, Isaías, Elias, Eliseu, Jeremias etc. etc. ... ...

2) A Igreja Católica Romana foi fundada por homens como o Imperador Romana; Os seus membros são de admissão humana; (É o PAPA, também de escolha humana, que escolhe os seus «santos» entre aspas). A Igreja Católica Romana é constituida por pessoas cheias de pecado, que muitas vezes rivalizam com o paganismo. A Igreja católica Romana é conivente (cúmplice) de muitos assassinatos (guerras santas e entre irmãos, corregelionários) , injustiças, «a santa inquisição» etc. etc. etc.
É uma grande religião.

Obs. Nos primórdios do Cristianismo não havia «padres» (Jesus era mesmo contra; ver Mateus cap 23); não havia bispos de diocese (apenas bispos de igreja local; cada igreja local tinha vários presbiteros ou bispos); não havia uma hierarquia organizada; mas sim o lema: «se quiseres ser o primeiro faze-te o servo de todos»; não havia uma classe clerical dominante; seguia o exemplo do Mestre que não tinha onde reclinar a cabeça.
Ao longo dos séculos as palavras do Mestre foram degenerando gradual e progressivamente devido ao facto de haver várias tendências especulativas em luta pela hegemonia até aos dias de hoje.

Os Apóstolos não deixaram sucessores, pois não eram uma espécie de monarquia, mas testemunhas oculares do que o mestre tinha dito e feito. Apenas Judas é excepção. Matias sucedeu a Judas como consta em Actos cap. 1 e as condições de sua sucessão foram ter acompanhado o Mestre desde o seu baptismo até à sua Ascenção.

Os bispos (episcopos; presbíteros) das igrejas locais não se sucediam uns aos outros, mas havia vários em cada congregação (igreja local) e aumentavam ou diminuiam consoante as necessidades e as possibilidades (contingências) de cada igreja.

Manel disse...

O senhor «Ricardo Miranda» queria saber a posição do blogueiro !!! !!! !!

O blogueiro tem todo o direito tanto em se manifestar como em permanecer neutro em relação às criticas.

Eu, Manel, manifesto-me em favor do conhecimento da verdade, doa a quem doer.

Sou a favor do Juízo prometido nos últimos dias, não para condenar as pessoas, mas para que fique tudo esclarecido, no meio de tanto engano e até de crimes que foram o orgulho de muita gente: por exemplo a santa inquisição, as guerras «santas» contra «moiros» e os seus correlegionários que tinham opinião própria (Hérulos, os Vândalos e os Ostrogodos; Albigenses etc ... ....), e as perseguições contra os «judeus» a ponto de os fazer renegar à sua religião á força até à pena de morte.

Ver: Arianos

Manel disse...

Não pertence nem sequer ao Filho escolher os lugares dos eleitos no Reino de YHWH

«Jesus replicou-lhes: «Na verdade, bebereis o meu cálice; mas, o sentar-se à minha direita ou à minha esquerda não me pertence a mim concedê-lo: é para quem meu Pai o tem reservado.» (Mateus 20,23)


É o PAI que escolhe os que confia ao Filho. (João 17,9.24)

D.Cosmo disse...

www.dcosmo.blogspot.com -> Andarilho! Em busca do conhecimento! Conto com seu comentário!
abraçoo

joao paulo disse...

Oi, meu amigo!
bem, eu acho quando alguém se dispõe a questiona alguma coisa. No entanto, é bem melhor questionar algo, tendo realmente os dois lados da moeda. Muitas das pessoas que fizeram comentários em seu blog, falaram em sua maioria mal da igreja católica. Pois bem, eu creio firmemente que ela fora instituida por JESUS, quando disse: "És Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja". Do contrário, quem forma os sucessores legais de Pedro? Ora! Os Papas.E quem tem a coragem de falar em voz alta contra todos os problemas que o próprio CRISTO contestou e contesta até os dias atuais? Muitos dizem que é por ela ser conservadora e ultrapassada. Mas será que é realmente assim ou o ser humano é que quer ficar livre de um "empecilho", uma "pedra no seu sapato" para ficar mais fácil de permanecer nos seus erros? Pense nisso, meu amigo. E na dúvida leia o livro Histórias que a história não conta do Prof. FIlipe Aquino.

http://vaticano-on-line.blogspot.com/ disse...

O HOMEM QUE DESCOBRIU AS CÉLULAS TRONCO EMBRIONÁRIAS DIZ QUE ELAS NÃO TÊM FUTURO
[Entrevista com a Professora Doutora Alice Teixeira]
http://vaticano-on-line.blogspot.com/

Marcos Tadeu Cardoso de jesus ou Marks Tadeu disse...

Tem um livro que esta fazendo maior sucesso é o "VERDADEIRA FACE DOS LIDERES RELIGIOSOS" ele fala e critica desmascarando tanto o Bispo Edir Macedo e do Profeta William M. Branham, uma material que pode ser baixado gratuitamente no 4shared.
O autor é Marcos Tadeu Cardoso.
O website dele é http://www.marcostadeucardoso.blogspot.com

Maria disse...

A Igreja de Cristo não é uma religião e tanto Yeohushua (Cristo) e os seus Apóstolos professavam a mesma religião que todos os outros Judeus: Abraão, Isac, Jacob, Moisés, David, e os profetas Samuel, Isaías, Elias, Eliseu, Jeremias etc. etc. ... ...
Gálatas, 1
9. Como já dissemos e agora repito: se alguém vos pregar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja excluído.
13. Certamente ouvistes falar como foi outrora a minha conduta no judaísmo: com que excessos eu perseguia e devastava a Igreja de Deus
14. e como progredia no judaísmo** mais do que muitos judeus da minha idade, mostrando-me extremamente zeloso das tradições paternas.
15. Deus, porém, tinha me posto à parte desde o ventre materno. Quando então ele me chamou por sua graça .

>>Me desculpe, mas..você tem o livro de Galatas na sua bíblia ou o seu lider religioso o arrancou também?
Cazo tenha, faça um favor pra você mesmo, LEIA!! Essa carta foi escrita por Paulo aos galatas para alerta-los contra a hipocrisia dos judeus. Se você não se ligou ainda, os fariseus que condenaram Jesus eram judeus!! Eles não aceitam Jesus como Deus. Eles argumentavam que ele era filho de Maria e de José, não acreditavam que foi concebido pelo Espirito Santo, como os profetas sempre anunciaram..sempre ficavam querendo fazer armadilhas pra pegar Jesus em contradição da Lei que seguiam. Porém Jesus É A NOVA LEI DE DEUS COM A HUMANIDADE e nos ensina a não seguir aquelas leis dos fariseus e sim as leis de Jesus. Me desculpe, mas a Igreja de Cristo é sim uma religião: é cristã>> que segue os ensinamentos de Jesus e católica, se você não sabe a palavra católica é o mesmo que UNIVERSAL.
A Igreja Católica Romana foi fundada por homens como o Imperador Romana; Os seus membros são de admissão humana; (É o PAPA, também de escolha humana, que escolhe os seus «santos» entre aspas). A Igreja Católica Romana é constituida por pessoas cheias de pecado, que muitas vezes rivalizam com o paganismo. A Igreja católica Romana é conivente (cúmplice) de muitos assassinatos (guerras santas e entre irmãos, corregelionários) , injustiças, «a santa inquisição» etc. etc. etc.
É uma grande religião.
>> A Igreja tem uma série ininterrupta de 266 Papas: De Pedro até Bento XVI.
De Pedro até Constantino foram TRINTA E DOIS PAPAS !!!
Sem contar os grandes Doutores da Santa Igreja como Santo Agustinho que veio muito antes de Constantino.
Então se Constantino fundou alguma Igreja...
- De qual igreja foram os 32 papas antes dele ?
- Se Constantino fundou alguma igreja, onde estão as provas...?
- Onde está um só documento histórico comprovando?
- Onde está o EDITO DO IMPERADOR Constantino ?

Maria disse...

O que Constantino fez foi dar liberdade de culto aos cristãos, através do Edito de Milão, 313. Esses falsários não são novidade....
Bem disse São Paulo, que viria o tempo, em que as pessoas desviariam os ouvidos da verdade para aplicá-los às fábulas!

Estudem a História... Não tenham medo da Verdade que liberta!;
A VERDADE DOCUMENTAL:
Jesus disse: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja , e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;” (Mt 16,18).
Logo nos inícios da Igreja, os seguidores de Cristo foram designados com o nome de cristãos. Assim podiam distinguir-se dos filósofos pagãos e dos judeus ou seguidores da sinagoga. Este nome de cristãos como se sabe, já vem na própria Bíblia, e tal denominação começou em Antioquia: “em Antioquia é que foram os discípulos denominados CRISTÃOS, pela primeira vez” (At 11, 26), “Então Agripa disse a Paulo: Por pouco me não persuade a fazer-me CRISTÃO” (At 26, 28). “Se padece como CRISTÃO, não se envergonhe; mas glorifique a Deus neste nome” (1Pd 4, 16).
Aconteceu, porém que, tão logo a Igreja começou a propagar-se, começaram a aparecer os hereges, seguindo doutrinas diversas daquela que tinha sido recebida dos Apóstolos, mas tomando o nome de cristãos, pois também criam em Cristo e d’Ele se diziam discípulos. Era preciso, portanto, um novo nome para designar a verdadeira Igreja, distinguindo-a dos hereges. E desde tempos antiqüíssimos, desde os tempos dos Apóstolos, a Igreja começou a ser designada como IGREJA CATÓLICA, isto é, UNIVERSAL, a Igreja que está espalhada por toda a parte, para diferençá-la dos hereges, pertencentes às igrejinhas isoladas que existiam aqui e acolá.
70 a 107 d.C.
1. Já Santo Inácio de Antioquia, que foi contemporâneo dos Apóstolos, pois nasceu mais ou menos no ano 35 da era cristã e, segundo Eusébio de Cesaréia no seu Chrónicon, foi bispo de Antioquia, entre os anos 70 e 107, já Santo Inácio nos fala abertamente da Igreja Católica, na sua Epístola aos Esmirnenses: “Onde comparecer o Bispo, aí esteja a multidão, do mesmo modo que, onde estiver Jesus Cristo, aí está a IGREJA CATÓLICA” (Epístola aos Esmirnenses c 8, 2).
2. Outro contemporâneo dos Apóstolos foi São Policarpo, bispo de Esmirna, que nasceu no ano 69 e foi discípulo de São João Evangelista. Quando São Policarpo recebeu a palma do martírio, a Igreja de Esmirna escreveu uma carta que é assim endereçada: “A Igreja de Deus que peregrina em Esmirna à Igreja de Deus que peregrina em Filomélio e a todas as paróquias da IGREJA SANTA E CATÓLICA em todo o mundo”. Nessa mesma Epístola se fala de uma oração feita por São Policarpo, na qual ele “fez menção de todos quantos em sua vida tiveram trato com ele, pequenos e grandes, ilustres e humildes, e especialmente de toda a IGREJA CATÓLICA, espalhada por toda a terra” (c. 8).
2º Século d. C.
3. O Fragmento Muratoriano que é uma lista feita no segundo século, dos livros do Cânon do Novo Testamento fala em livros apócrifos que “não podem ser recebidos na IGREJA CATÓLICA”.
4. São Clemente de Alexandria (também do século segundo) responde à objeção dos infiéis que perguntam: “como se pode crer, se há tanta divergência de heresias, e assim a própria verdade nos distrai e fatiga, pois outros estabelecem outros dogmas?” Depois de mostrar vários sinais pelos quais se distingue das heresias a verdadeira Igreja, assim conclui São Clemente: “Não só pela essência, mas também pela opinião, pelo princípio pela excelência, só há uma Igreja antiga e é a IGREJA CATÓLICA. Das heresias, umas se chamam pelo nome de um homem, como as que são chamadas por Valentino, Marcião e Basílides; outras, pelo lugar donde vieram, como os Peráticos; outras do povo, como a heresia dos Frígios; outras, de alguma operação, como os Encratistas; outras, de seus próprios ensino, como os Docetas e Hematistas“. (Stromata 1.7. c. 15).

Maria disse...

3º Século d.C em diante.
5. São Cipriano em 249, antes de Constantino nascer, e antes do Concílio de Nicéia, testemunhava: “Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.” (Epist. 55, n.1, Hartel, 614);
“E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.” (Sobre a unidade da Igreja, cap. 4);
“Roma é a matriz e o trono da Igreja Católica.” (Epist. 48, n.3, Hartel, 607).
6. No século III, Firmiliano, bispo de Capadócia, diz assim: “Há uma só esposa de Cristo que é a IGREJA CATÓLICA” (Ep. De Firmiliano nº 14).
7. São Frutuoso, martirizado no ano 259, diz: “é necessário que eu tenha em mente a IGREJA CATÓLICA, difundida desde o Oriente até o Ocidente”. (Ruinart. Acta martyrum pág 192 nº 3).
Fonte: http://catolicismo.wordpress.com/2008/04/28/citaes-sobre-o-nome-igreja-catlica/
Todas as citações acima, são anteriores ao nascimento de Constantino (272 – 22 de Maio de 337).
Isso anula o embuste protestante, que se agarra maliciosamente a Constantino para “explicar” a Igreja Católica. Quando este apenas, mais tarde, deu liberdade plena para os cristãos pregarem livremente a doutrina da Igreja Católica, que foi fundada por Jesus Cristo.
>> O PAPA é escolhido segundo a orientação do Espírito Santo com a imposição de mãos de outros três bispos, uma pequena diferença de se AUTOELEGER BISPO como acontece em sua igreja seja ela qual for;
>> Concerteza é cheia de pessoas cheias de pecado, pois Deus veio para os pecadores e em momento algum nos taxamos SANTOS como as igrejas evangélicas que acham que só porque usam saias e ternos são melhores do que os outros;
>>Você lembra a inquisição católica, mas e a inquisição protestante?? Ai a história não vale nada, só vale pra criticar a Igreja Católica..
CONHEÇA MUITO MAIS SOBRE A INQUISIÇÃO PROTESTANTE
• 01 – INQUISIÇÃO PROTESTANTE
• 02 – INQUISIÇÃO PROTESTANTE
• 03 – MORTE DE INOCENTES NO MAIOR PAIS PROTESTANTE
• 04 – VIDEO INQUISIÇÃO EVANGÉLICA PROTESTANTE
Autor: Fernando Nascimento

Maria disse...

Introdução
O artigo que segue, revela em rica bibliografia, os números de mortos, e requintes de crueldade dos incomparáveis tribunais eclesiásticos protestantes. E deixará claro que as levianas acusações protestantes contra a Igreja Católica sorrateiramente mudaram o significado da palavra “inquisição”, que quer dizer apenas: “sindicância”, “investigação”, em sinônimo de “matança de pessoas”. Ainda hoje, esse erro circula no meio protestante. Tal quimera caiu por terra, quando o renomado historiador Agostino Borromeo, após demorado estudo sobre a inquisição, concluiu que não chegaram a cem, o número de mortes, cometidas por católicos que em desobediência ao Papa, empregaram pena de morte contra os inquiridos.
Antes, abramos um parêntese, para de fato mostrarmos conforme os historiadores, que muita calúnia se lançou contra a Igreja Católica, no que concerne a falsa acusação de matança de “centenas”, “milhares” e até “milhões” de pessoas. Pura lenda, que na verdade não passava de mentira estratégica protestante, fomentada por anticatólicos como: Russel Hope Robbins, o apostata Doelling, Jules Baissac, Jean Français e Reinach.
O próprio Rui Barbosa quando principiante inexperiente, traduziu “O Papa e o Concílio” uma obra de um deles, do Doelling, e se arrependeu mais tarde, proibindo no prefácio a publicação da mesma, pelas calúnias apaixonadas. Dizia mais tarde Rui Barbosa, quando maduro e experiente: “Estudei todas as religiões do mundo e cheguei a seguinte conclusão: religião ou a Católica ou nenhuma.” (Livro Oriente, Carlos Mariano de M. Santos (1998-2004) artigo 5º).
Publicou a Agência européia de notícias Zenit: [CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 16 de junho de 2004 (ZENIT.org).- [Atualmente, os pesquisadores têm os elementos necessários para fazer uma história da Inquisição sem cair em preconceitos negativos ou na apologética propagandista, afirma o coordenador do livro «Atas do Simpósio Internacional “A Inquisição”».
No volume, Agostino Borromeo, historiador, recolhe as palestras do congresso que reuniu ao final de outubro de 1998, no Vaticano, historiadores universalmente reconhecidos especializados nestes tribunais eclesiásticos.
«Hoje em dia --afirmou essa terça-feira, em uma coletiva de imprensa de apresentação do livro, o professor da Universidade «La Sapienza» de Roma-- os historiadores já não utilizam o tema da Inquisição como instrumento para defender ou atacar a Igreja».
Diferentemente do que antes sucedia, acrescentou o presidente do Instituto Italiano de Estudos Ibéricos, «o debate se encaminhou para o ambiente histórico, com estatísticas sérias».
O especialista constatou que, à «lenda negra» criada contra a Inquisição em países protestantes, opôs uma apologética católica propagandista que, em nenhum dos casos, ajudava a conseguir uma visão objetiva.
Isto se deve, entre outras coisas --indicou--, ao «grande passo adiante» dado pela abertura dos arquivos secretos da Congregação para a Doutrina da Fé (antigo Santo Ofício), ordenada por João Paulo II em 1998, onde se encontra uma base documental amplíssima.
Borromeu ilustrou alguns dos dados possibilitados pelas «Atas do Simpósio Internacional “A Inquisição”».
Revela o historiador sobre os processos e condenação referentes ao tribunal católico: “dos 125.000 processos de sua história, a Inquisição espanhola condenou à morte 59 «bruxas». Na Itália, acrescentou, foram 36 e em Portugal 4. Se somarmos estes dados --comentou o historiador-- não se chega nem sequer a cem casos...”

Maria disse...

A Inquisição na Espanha, afirmou o historiador, em referência ao tribunal mais conhecido, celebrou entre 1540 e 1700, 44.674 julgamentos. Os acusados condenados à morte foram 1,8% e, destes, 1,7% foi condenado em «contumácia», ou seja, pessoas de paradeiro desconhecido ou que em seu lugar se queimavam ou enforcavam bonecos].(1) Até aqui a notícia de ZENIT.org.
Outro historiador, o protestante, Henry Charles Léa, cita 47 bulas, nas quais a Santa Sé continuamente insiste na jurisprudência que deve se observar nos tribunais eclesiásticos católicos. Alertam para não cair na violência e injustiças freqüentes dos juizes leigos. Basta folhear a monumental obra do próprio Léa, para convencer-se que na realidade as bruxas foram perseguidas e condenadas mais pelos detentores do poder civil e pelos protestantes do que pelo tribunal católico. (2)
Também o historiador Daniel Roups, é categórico nos seus registros: ”Foram numerosos os cânones dos concílios que, excomungando os hereges e proibindo os cristãos de lhes darem asilo, não admitiam que se utilizassem contra eles a pena de morte. Deviam bastar as penas espirituais ou, quando muito, as penas temporais moderadas”. (3)
João Paulo II enviou uma mensagem com motivo da apresentação das «Atas» do Simpósio Internacional sobre a Inquisição, na qual sublinha a necessidade de que a Igreja peça perdão pelos pecados cometidos por seus filhos através da história. Ao mesmo tempo, declarava, «antes de pedir perdão é necessário conhecer exatamente os fatos e reconhecer as carências ante as exigências cristãs».(Zenit).
Pelos filhos da Igreja Católica, que em desobediência cometeram alguns crimes, o Papa João Paulo II pediu perdão. Mas, quando o protestantismo cessará de deturpar, omitir e caluniar, reconhecendo finalmente os extermínios que cometeu e atribui maldosamente aos católicos? Fecha parêntese.
VEJAMOS ENTÃO, A VERDADE DOCUMENTAL, E A CRUELDADE SEM PRECEDENTES DOS TRIBUNAIS PROTESTANTES.
A quantidade de registros literários dos próprios protestantes é vasta, porém, estranhamente ocultada pelos livros escolares, pela imprensa e mídia em geral. Muitas vezes vemos o que é omitido pelo lado protestante sendo por esses veículos, atribuídos maldosamente à Igreja Católica.
- O próprio Lutero nos legou o relato dessa prática, anos antes de lançar-se em revolta aberta, dizia: “(…) os hereges não são bem acolhidos se não pintam a Igreja como má, falsa e mentirosa. Só eles querem passar por bons: a Igreja há de figurar como ruim em tudo.” (Franca, Leonel, S.J. A Igreja, a reforma e a civilização, Ed. Agir, 1952, 6ª ed. Pág. 200).
Uma vez no protestantismo, já ensinava Lutero aos protestantes: “Que mal pode causar se um homem diz uma boa e grossa mentira por uma causa meritória e para o bem da igreja (luterana).” (Grisar, Hartmann, S.J., Martin Luther, His life & work, The Newman Press, 1960- pág 522).
Logo a mentira, a omissão e o falso testemunho se tornaram as colunas das doutrinas dos pseudos “reformadores” protestantes.
A crueldade foi especialmente severa na Alemanha protestante. As posições de Lutero, contra os anabatistas, causaram a morte de pelo menos 30.000 camponeses (4). Foram as palavras de Lutero: “Eu, Martinho Lutero, exterminei os camponeses revoltados, ordenei-lhes os suplícios, que o seu sangue recaia sobre mim, mas o faço subir até Deus, pois foi ele quem me mandou falar e agir como agi e falei”. Centenas de rebeldes, segundo Goethe, foram torturados, empalados, esquartejados e queimados vivos. A Alemanha, disse o autor de Hermann e Dorothéia, “parecia um açougue onde a carne humana tinha preço vil”.

Maria disse...

Calvino, pai dos presbiterianos, mandou queimar o espanhol Miguel Servet Grizar, médico descobridor da circulação sanguínea. Acusado de heresia, Servet foi preso e julgado em Lyon, na França. Conseguiu evadir-se da prisão e quando se dirigia para a Itália, através da Suíça, foi novamente preso em Genebra, julgado e condenado a morrer na fogueira, por decisão de um tribunal eclesiástico sob direção do próprio Calvino. A sentença foi cumprida em Champel, nas proximidades de Genebra, no dia 27 de outubro de 1553. Puseram-lhe na cabeça uma coroa de juncos impregnada de enxofre e foi queimado vivo em fogo lento com requintes de sadismo e crueldade. (5)
O luterano Benedict Carpzov, foi legista brilhante e figura esclarecida, até hoje ocupando lugar destacado na história do Direito Penal. Mas perdia a compostura contra a bruxaria, que considerava merecedora de torturas três vezes intensificadas com respeito a outros crimes, e cinco vezes punível com pena de morte. Protestante fanático, afirmava, quando velho, ter lido a Bíblia inteira 53 vezes. Assinou sentença de morte contra 20.000 bruxas, apoiando-se principalmente na “Lei” do Antigo Testamento. Não compreendendo o verdadeiro significado da Bíblia, considerava o Pentateuco como lei promulgada pelo próprio Deus, Supremo Legislador. Carpzov, para condenar a morte, usava (Lv 19,31; 20,6.27; Dt 12,1-5), citava de preferência o Êxodo (22,18); “Não deixarás viver a feiticeira”. (6)
Outro famoso perseguidor de bruxas na Alemanha, foi Nicholas Romy, considerado grande especialista e que escreveu um longo tratado sobre bruxaria, teve sobre sua consciência a morte de 900 pessoas. (7)
Já Froehligh, reitor da Universidade de Innsbruck e catedrático de Direito, que chegou a ser chanceler da Alta Áustria, insistia em que não só as supostas bruxas fossem condenadas, senão também seus filhos! E não se precisava muito para ser considerada bruxa, pois o seria qualquer pessoa que não tivesse um olhar franco.(8)
Naquele ambiente de superstição, crueldade e pânico perante as bruxas, foi possível o aparecimento de um Franz Buirmann, pervertido magistrado protestante e degenerado inimigo da bruxaria. Era um juiz itinerante. Referindo-se a ele dizia seu contemporâneo Hermann Loher: “Preferiria mil vezes ser julgado por animais selvagens, cair numa fossa cheia de leões, de lobos e ursos, do que cair em suas mãos”.
Deste impiedoso juiz se afirma que somente em duas incursões que realizou por pequeninas aldeias ao redor de Bonn, que perfaziam um total de 300 pessoas contando-se crianças e velhos, queimou vivas nada menos que 150 pessoas! Consta que ao menos em duas oportunidades (da viúva Boffgen e do Alcaide de Rheinbach), o juiz se apoderou de todos os bens dos condenados à fogueira (o Alcaide de Rheinbach era seu inimigo político. . .).(9)
Em Bamberga, sob a administração de um bispo protestante, queimou-se 600 pessoas. Na Genebra protestante, foram queimadas 500 pessoas por Calvino. (10)
Se os protestantes do passado nenhum valor davam a essas muitíssimas vidas ceifadas no fogo, muito menos valor dão os protestantes de hoje, que por ignorância, orgulho ou omissão, se escusam de um simples pedido de perdão, para não ter que admitir as iniqüidades que falaciosamente atribuem aos outros.
A técnica, é a mesma do gatuno que bate uma carteira e grita: “pega ladrão!!!” Baseados no grito do gatuno, as mal informadas e ou mal intencionadas editoras de livros didáticos, a imprensa e a mídia, fazem o resto do trabalho sujo. Tudo contribui para a perdição do que não busca conhecer a verdade.
Dizia Marcus Moreira Lassance Pimenta: “Ao ignorante, basta uma mentira bem contada para que a tenha como verdade. E ao sábio, não há mentira que o impeça de buscar a verdade”.

Maria disse...

Nos primórdios do Cristianismo não havia «padres» (Jesus era mesmo contra; ver Mateus cap 23); não havia bispos de diocese (apenas bispos de igreja local; cada igreja local tinha vários presbiteros ou bispos); não havia uma hierarquia organizada; mas sim o lema: «se quiseres ser o primeiro faze-te o servo de todos»; não havia uma classe clerical dominante; seguia o exemplo do Mestre que não tinha onde reclinar a cabeça.
Ao longo dos séculos as palavras do Mestre foram degenerando gradual e progressivamente devido ao facto de haver várias tendências especulativas em luta pela hegemonia até aos dias de hoje.
>> A Ordem é o sacramento que dá o poder de desempenhar as funções eclesiásticas, e a graça de fazê-lo santamente. Em outros termos, é o sacramento que faz os sacerdotes, ou ministros de Deus. Muitos textos da Sagrada Escritura provam a existência do sacerdócio e indicam o rito de ordenação sacerdotal. Lemos de fato que Nosso Senhor fez uma seleção entre os discípulos: "Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi", diz Ele (Jo 15, 16). Aos discípulos eleitos, chamados apóstolos, o divino Mestre confia as quatro atribuições particulares do sacerdócio:
a) Oferecer o santo sacrifício: "Fazei isto em memória de mim" (Lc 22, 19). É a ordem de reproduzir o que ele tinha feito: mudar o pão em seu corpo e o vinho em seu sangue divino
b) Perdoar os pecados: Os pecados serão perdoados aos que vós os perdoardes (Jo 20, 23).
c) Pregar o Evangelho: Ide no mundo inteiro, pregando o Evangelho a todas as criaturas (Mc 16, 15).
d) Governar a Igreja: O Espírito Santo constituiu os bispos para governarem a Igreja de Deus (At 20, 28).
Eis os poderes dados por Nosso Senhor Jesus Cristo a seus ministros ou sacerdotes, representados pelos primeiros sacerdotes, que foram os apóstolos.
Quanto ao rito de ordenação, não é menos claramente indicado: Consiste ela na imposição das mãos. S. Paulo escreve: "Não desprezes a graça que há em ti e te foi dada por profecia pela imposição das mãos do presbitério" (1 Tim 4, 14). Chama-se presbitério a reunião dos bispos e padres que concorreram para a ordenação de Timóteo, de que S. Paulo foi o principal ministro, como se vê claramente na segunda epístola dirigida ao mesmo discípulo. "Por este motivo, diz ele, te admoesto que reanimes a graça de Deus, que recebestes pela imposição de minhas mãos" (2 Tim 1, 6).
O exemplo dos apóstolos nos mostra a transmissão dos poderes sacerdotais pela ordenação. E por onde Paulo e Barnabé passavam, "ordenavam sacerdotes para cada Igreja" (At 14, 23).
Tudo isso prova, claramente, que os apóstolos tinham recebido de Nosso Senhor a divina investidura de poderes, que iam assim distribuindo pela imposição das mãos; e esta investidura é o sacramento da Ordem.
Que diferença para o pastor protestante... Ele mesmo se investe de um poder que não recebeu de ninguém, ele mesmo se escolhe, nomeia-se, e dá a si os poderes que julga ter, sem que tenha sido investido do sacramento instituído por Deus para a escolha de seus ministros, sob a autoridade de um Papa.

Maria disse...

Os Apóstolos não deixaram sucessores, pois não eram uma espécie de monarquia, mas testemunhas oculares do que o mestre tinha dito e feito..e blábláblá...
Atos dos Apostolos 1
20. De fato, no livro dos Salmos está escrito: ‘Fique deserta a sua morada, e não haja quem nela habite! ’ E ainda: ‘Que outro receba o seu encargo’.
21. Há homens que nos acompanharam durante todo o tempo em que o Senhor Jesus viveu no meio de nós,
22. a começar pelo batismo de João até o dia em que foi elevado do meio de nós. Agora, é preciso que um deles se junte a nós para ser testemunha da sua ressurreição”.
23. Apresentaram então dois homens: José, chamado Barsabás, que tinha o apelido de Justo, e Matias.
24. Em seguida, fizeram esta oração: “Senhor, tu conheces os corações de todos. Mostra-nos qual destes dois escolheste
25. para ocupar, neste ministério e apostolado, o lugar que Judas abandonou para ir ao lugar que lhe cabia”.
26. Tiraram então a sorte entre os dois. A sorte caiu em Matias, o qual foi acrescentado ao número dos onze apóstolos.
É..como você disse mesmo? Não havia sucessão?? Leia a biblia antes de falar bobagens.

Maria disse...

sites de pesquisa:

caiafarsa
exsurge
lepanto
paginaoriente
dicionariodefe

Ao que podemos comparar o protestantismo??

É a mesma coisa que falar para uma morena que ela simplesmente não é morena!! É sair espalhando que ela é loira, mas pinta seus cabelos de castanho.

O acusador sequer tem provas, porém a distinta mulher tem uma coisa chamada DNA que deixa qualquer acusação no chinelo...rsrs

É muito engraçado vocês não acham?
Qualquer um diz que tá errado, que é mentira, mas não tem prova nenhuma..e o pior: eles inventam, destorcem a HISTÓRIA para que pareça verdade, porém são muito falhos e faceis de desmascarar..

A Igreja Católica faz parte da história: contribuiu para a arte, para história, geografia, filosofia, para a civililação, enfim N coisas..ela é forte e suas marcas estão espalhadas por todos os tempos ao longo da história. É só pesquisar..

Só lamento o protestantismo evangélico querer apagar o que está além do seu alcanse..

Bom..no final das contas mesmo, todos vão voltar para a Igreja de Cristo assim, como na arca de Nóe..a unica coisa que estão fazendo é adiar isso, pro seu azar..estão também adiando as graças que Deus os reserva..então só tenho a desejar a paz do Senhor o amor da Nossa Mãe Maria..fiquem Com Deus..

Márcio Venturelli disse...

Por favor!!!
Muitos serão chamados e poucos escolhidos...
Parem de discutir religião!!!
Apenas a Santa Trindade salva...
O Pai (Deus, Jeová etc.) o Espírito Santo (Dentro de nós) e Jesus Cristo (Messias, promessa etc.)...
Espero que todos aceitem Jesus...
abs

lizy disse...

oLA MARIA GOSTO MUITO DA FORMA COMO EXPÕE A VERDADE SOBRE A NOSSA RELIGIÃO QUE FOI FUNDADO PELO CRISTO... PARABÉNS PELO ESTUDO E DEDICAÇÃO

lIZY

stefan disse...

SÓ HÁ UMA IGREJA, A CATÓLICA; TODAS AS OUTRAS HISTORICAMENTE MERAS HUMANAS INVENÇÕES

A Igreja Católica foi historicamente instituída por Jesus, aliás ela O é Ele mesmo. Ele é a Cabeça da Igreja, que é o seu Corpo, confira-o em Cl 1.18, Cl.1,24, Ef 1.22,23 e 1 Cor 12.12+ etc. A Igreja Católica possui aprox. 2000 anos e as centenas de igrejas protestantes e anexas têem fundamentação humana, reinos divididos entre si mesmos, onde se faz o que quer ou convém com a Bíblia. Veja no YouTube os pastores como se odeiam: trocas de farpas, mútuas acusações graves de pertencerem à maçonaria.
Primeiro surgiu a Igreja, depois a Bíblia. Não há Bíblia sem Igreja, aliás foi escrita para os católicos. A redação inciou em aprox. 65 DC, findou em aprox. 150 DC e em 312 aprox. é que se determinaram os livros atuais do cânon católico. Por quase 1600 anos a Igreja praticamente usou apenas a Tradição – a única que a possui – pois não havia imprensa ou qualquer outro meio de comunicação e muito menos bíblias portantes; eram escritas em materiais frágeis.
E vejam que nesse período intermediário de início de redação da Bíblia até à sua finalização caracterizou-se por muitas discussões dentro da Igreja, entre seus bispos com o herege Marcião, queria inserir tudo até validar os evangelhos apócrifos de Tomé e M. Madalena e os gnósticos que nada aprovavam para se inserir no cânon, etc. E vêem agora esses sectários bibliodólatras nos querer afirmar que só vale o que está na Bíblia, se a imprensa apareceu a partir do ano de 1450… E antes disso, como se evangelizava?
Seria ideal o estudo da heresiologia à atualidade pelo fato de pipocarem supostas igrejas evangélicas e de outras ideologias religiosas às centenas em grupamentos independentes, talvez a cada dia, do ramo neo pentecostalista, intimamente ligados ao espiritismo, ocultismo e esoterismo. São doutrinário-herético-relativistas, onde se faz a exegese bíblica pessoalmente, dando margem às multi seitas: há as que aprovam aborto, outras homossexualismo, outras adultério: ou seja, uma seita para cada exigência de cliente.
Seus cultos assemelham-se a centros espíritas no tocante aos rituais, quase todas; no You Tube há vídeos comparativos nesse sentido. Todas essas ideologias religiosas paralelas são reinos dissensos entre si, subsistindo-se estilhaçadamente entre si em constantes rixas; só se unem para atacarem a Igreja Católica e há alguns liames entre o protestantismo, maçonaria, socialismo e comunismo, em vários locais, e de ocultismo-esoterismo nos cultos em que se promovem expulsão de supostos maus espíritos, idem pessoas em transe, gritarias, rodopios...
O comportamento de seus membros é de: sem raciocínio e (ou) dura cerviz, ignorante ou por interesses pessoais, nas várias dimensões. Se acaso existirem portentos como anunciam - há pastores que usam dedos chifrados às sessões, invocando a quem - You Tube - Satanás terá tido grande vitória: retirou de Jesus-Igreja católica um candidato à salvação e doravante o será praticamente impossível, especialmente a apóstatas. Veja o Catecismo Católico: 846 - Fora da Igreja não há salvação.

Ou se desejar, antecipar a parceria com Satanás para a eternidade.